Aula06     Índice de Aulas  Aula08

ELETRÔNICA DIGITAL - CIRCUITOS COMBINACIONAIS 

Aula07:Aplicações de Circuitos Combinacionais - Geração de Produtos Canônicos

BIBLIOGRAFIA: Elementos de Eletrônica Digital - Capuano/Idoeta - Editora Érica

1. Produto Canônico - Soma de Produtos

Como sabemos,  com n variáveis   Booleanas podemos  obter  2n combinações possíveis. Por exemplo com 3 variáveis podemos gerar 8 combinações possíveis. Ao produto das variáveis de forma que resulte em 1 chamamos de produto canônico. A tabela a seguir mostra toda as combinações possíveis   para 3 variáveis.  

xxCxx

xxBxx

xxAxx

xxxxxxxxProduto  Canônicoxxvvvvvvvvvvvvvvv

0

0

0

0

0

1

0

1

0

0

1

1

1

0

0

1

0

1

1

1

0

1

1

1

C.B.A

A seguir  um circuito que pode gerar esses produtos canônicos.

Figura1: Circuito gerador de produtos canônicos

Observe que somente uma das saídas será alta para uma dada combinação das entradas. Para especificar os valores de entrada mudamos a posição das chaves C, B ou A.

2. Experiência13: Gerador de Produtos Canônicos

2.1.  Abra o arquivo ExpTDC09  (Multisim)  e  identifique os circuitos da  figura1. Ative o circuito em seguida verifique as saídas do circuito para todas as combinações de entrada da tabela a seguir.

xxCxx

xxBxx

xxAxx

xxS0xx

xxS1xx

xxS2xx

xxS3xx

xxS4xx

xxS5xx

xxS6xx

xxS7xx

0

0

0

 

 

 

 

 

 

 

 

0

0

1

 

 

 

 

 

 

 

 

0

1

0

 

 

 

 

 

 

 

 

0

1

1

 

 

 

 

 

 

 

 

1

0

0

 

 

 

 

 

 

 

 

1

0

1

 

 

 

 

 

 

 

 

1

1

0

 

 

 

 

 

 

 

 

1

1

1

 

 

 

 

 

 

 

 

2.2.  Conclusões

3. Multiplex Digital (MUX)

Um MUX é um circuito combinacional usado para enviar várias informações usando uma única linha física. O diagrama da figura2 mostra como isso é feito. Na figura2 o exemplo é de um MUX de 4 canais (entradas) e equivalente mecânico através de uma chave rotativa. Observe que as informações (E0,E1,E2,E3) são transmitidas  uma após a outra por isso mesmo esse circuito muitas vezes pode ser chamado de conversor Paralelo-serie.

( a )

( b )

Figura2: ( a )MUX de 4 entradas   ( b ) Equivalente mecânico (chave rotativa)

Como podemos verificar da figura2, somente uma entrada é  conectada à saída num determinado instante. A seleção de qual entrada se conecta com a saída é feita eletronicamente através das  variáveis B e A.  A entrada EN (Enable=Habilita) permite habilitar ou não o funcionamento do circuito. Se EN=0 o circuito funcionará de acordo com o explicado. Se EN=1 a saída permanecerá sempre  em 0 (por exemplo) independentemente de B e A.
A figura 3 mostra a TV do circuito.

xxENxx

xxBxx

xxAxx

xxSxx

1

X

X

1

0

0

0

E0

0

0

1

E1

0

1

0

E2

0

1

1

E3

A seguir na figura3 um circuito MUX de 4 entradas implementado com portas lógicas.

   

Figura3: MUX de 4 entradas

4. Experiência14: MUX Implementado com Portas Lógicas 

4.1.  Abra o arquivo ExpTDC10 (Multisim)  ou ExpTD10  (MicroCap)     identifique os circuitos da  figura3. Ative o circuito em seguida preencha a TV do mesmo

 

xxENxx

xxBxx

xxAxx

xxSxx

1

0

0

 

1

0

1

 

1

1

0

 

1

1

1

 

0

0

0

 

0

0

1

 

0

1

0

 

0

1

1

 

4.2.  Conclusões

5. MUX de 4 Entradas Construído com CI

A figura4 a seguir mostra um bloco multiplex de 4 entradas construído em CI. São exemplos de CI multiplex: 74150,74151, 74152, 74153, 74154.

 

Figura4: CI MUX  de 4 entradas

Experiência15: MUX Implementado com CI 

5.1.  Abra o arquivo ExpTDC11 (Multisim) e  identifique os circuitos da  figura4. Ative o circuito em seguida preencha a TV do mesmo considerando diversos valores de entradas.

xxENTRADASxx

xxBxx

xxAxx

xxSAÍDA (Y)xx

D0=0

0

0

 

D0=1

 

D1=0

0

1

 

D1=0

 

D2=0

1

0

 

D2=0

 

D3=0

1

1

 

D3=0

 

 

5.2.  Conclusões:

 

       Aula06     Índice de Aulas  Aula08